sábado, 29 de dezembro de 2007

O blogue está de parabéns!

Foi a 29 de Dezembro de 2006 que o Luso Fonias deu os primeiros passos na blogosfera. Ainda é um menino mas, ao longo do último ano, o Luso Fonias Online procurou divulgar os vários acontecimentos relacionados com o espaço lusófono e com a rádio/comunicação social.







Esperamos que 2008 seja um ano muito produtivo, com muitas entradas e interactividade neste espaço :)







Um espaço de encontro de vozes e culturas!



sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Entre Jesus e o Pai Natal

A emissão de Natal do Luso Fonias, transmitida no dia 23 de Dezembro, teve como tema “Entre Jesus e o Pai Natal”. Uma emissão que procurou saber como se vive o Natal nos dias de hoje. Será que ainda se comemora o verdadeiro sentido do Natal? Ou tudo não passa de mais uma exigência do mercado? Ouça a entrevista ao Pe. Mário Rui Leal Pedras, Pároco da Igreja de S. Nicolau, em Lisboa, que nos falou do livro O Verdadeiro Pai Natal e da figura de S. Nicolau.

Um programa sobre o verdadeiro sentido do Natal, numa época onde muitas vezes a abundância e o consumismo prevalecem.



Segue o comentário do Pe. Tony Neves:

«Jesus é o símbolo original do Natal. É o seu nascimento, em Belém, há mais de 2 mil anos, que o mundo celebra a 25 de Dezembro. Mas a Coca-Cola impôs ao mundo, pela via da publicidade e do marketing, o Pai Natal como símbolo laico desta quadra festiva. Sobre esta aparente vitória do Pai Natal sobre Cristo, há opiniões para todos os gostos. Há quem defenda que é uma substituição sem sentido, uma vez que Natal quer dizer nascimento e o que se celebra, de facto, é o nascimento de Jesus. Por isso, para esta corrente, tentar esconder o Menino por preconceitos anti-religiosos é um atentado à história e ao bom senso. Outros, porém, mostram-se indiferentes e até utilizam os dois, colocando lado a lado o Presépio e o Pai Natal, um como símbolo religioso do amor de Deus à humanidade e o outro como figura simpática que traz os presentes às crianças; outros, porém, só querem ver o Pai Natal nas ruas, nas escolas e nas empresas e nos postais de boas festas porque colocar Cristo é fazer uma opção religiosa e isso fere quem não for cristão... Enfim, são perspectivas muito radicais e escondem, lá bem no fundo, um sentimento anti-cristão que não faz qualquer sentido.

Por isso, acho que devemos todos ser tolerantes e cada um escolher os símbolos que querem para ornamentarem o seu Natal. Mas, como cristãos, devemos defender o Presépio e a Sagrada Família pois são símbolos desta opção de Deus de enviar o seu Filho para viver como um de nós e conseguir passar melhor para a humanidade o seu projecto de felicidade e salvação.

Por isso, mais não posso que desejar a todos os ouvintes do Luso Fonias um santo e feliz Natal na companhia das famílias. Que o menino que nasce seja sinal de festa e de esperança.»




Ouça este programa e os mais antigos na Telefonia

(menu do lado direito)

Madeirenses apoiam hospital franciscano da Guiné-Bissau

Os católicos da Madeira receberam, neste Natal, um apelo especial, destinado a auxiliar o Hospital do Mal de Hansen.

Situado na Missão Católica de Cumura, é dirigido pela Custódia de São Francisco de Assis, pertencente à Ordem Franciscana, sendo coadjuvado pela Congregação das Irmãs Franciscanas do Coração Imaculado de Maria. Foi fundado há algumas décadas pelo Bispo Franciscano D. Settímio Ferrazetta, sendo hoje considerado o hospital de referência da Guiné-Bissau, apesar de se deparar quotidianamente com enormes dificuldades materiais e financeiras.

A este hospital acorrem todos os doentes que, por serem extremamente pobres, não têm posses para ser tratados no hospital central da Guiné-Bissau, e todos os tratamentos nele dispensados são gratuitos.

Ali é prestada assistência na área da saúde materno-infantil, aos doentes (crianças e adultos) com doenças tão graves como Lepra, Sida, Tuberculose ou Malária. São ainda facultadas Consultas Externas na área de Clínica Geral, Medicina Interna e Pediatria. Esta Missão Católica, para além da prestação de cuidados de saúde também dispõe de uma valência no campo da educação, vocacionada sobretudo para os órfãos ou filhos dos doentes.

As necessidades mais prementes deste hospital são o financiamento para aquisição de medicamentos para o tratamento dos doentes, para a sua alimentação, e para aquisição de material de laboratório e novos equipamentos complementares de diagnóstico (tais como electrocardiógrafos, monitores cardíacos, desfibriladores, um aparelho de ecografias e um de raios x), manutenção do equipamento hospitalar, e por último e não menos importante, para adquirir gasóleo para manter em funcionamento o gerador do hospital (ali não existe electricidade) e para os veículos automóveis afectos ao mesmo.

Quem quiser apoiar o trabalho desenvolvido neste hospital guineense poderá depositar o seu donativo numa conta bancária da Caixa Geral de Depósitos aberta em Portugal para este efeito, cujo NIB é o seguinte: 003508220005736650052.



Médico e sacerdote missionário

Natural de Torres Novas, concelho da Sertã, Frei Victor Henriques sentiu o chamamento de Deus quando frequentava o 2.º Ano do Curso de Medicina na Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa.

Este apelo não implicou o abandono da sua formação superior, antes pelo contrário. Pouco a pouco apercebeu-se de que o seu destino era ser médico e padre missionário. Entrou para a Ordem Franciscana em 1982, tendo tomado o hábito no ano seguinte, no Convento do Varatojo, em Torres Vedras.

Concluiu a sua licenciatura em 1986. Por um período de dois anos trabalhou nos Hospitais Civis de Lisboa, e neste período fez uma pós-graduação em Medicina Tropical, tendo em mente a sua primeira experiência missionária, em 1989, na Guiné-Bissau. No ano seguinte regressou a Portugal para terminar o Curso de Teologia e ser ordenado sacerdote, em Julho de 1996. Depois regressou, uma vez mais, ao hospital de Cumura, onde permaneceu por quatro anos, findos os quais voltou ao seu país.
Trabalhou no Centro Hospitalar de Torres Vedras ao mesmo tempo que se especializava em Medicina Interna, de modo a suprimir uma grave carência nesta área no hospital guineense, para onde regressou recentemente, sendo actualmente o seu único médico residente.

Em complemento à sua vital actividade clínica, não tendo mãos a medir para atender tantos doentes, dedica ainda uma parte da sua vida de missionário a pregar a Palavra de Deus. Como Franciscano, está junto dos mais pobres e desfavorecidos da sociedade, como médico, esforça-se por curar as maleitas corporais dos seus pacientes e, como sacerdote, trata ainda das suas almas. Presentemente com 48 anos, o Frei Victor Henriques é um verdadeiro exemplo de abnegação para os nossos dias.



Duarte Mendonça

Jornal da Madeira

Ser mulher migrante

2007 está a chegar ao fim e com ele termina o Ano Europeu da Igualdade de Oportunidades para Todos.

Estamos em pleno século XXI, mas as mulheres ainda são vítimas de discriminação. Porquê? Por serem mulheres. E quando ao género se junta o facto de a mulher ser migrante, o panorama piora um pouco. Piora porque, além de serem mulheres, são discriminadas por serem mulheres estrangeiras a viver e a trabalhar em países, onde nem sequer conhecem a língua, os usos e costumes, os direitos e obrigações…

Mulher migrante foi o tema do Luso Fonias de 16 de Dezembro, que surgiu a propósito do Dia Internacional dos Migrantes celebrado a 18 deste mês.

Para nos falar deste assunto esteve connosco a Dra. Rosário Farmhouse, Directora do Serviço Jesuíta aos Refugiados, autora do livro Começar de Novo – Passo a Passo com Refugiados e Deslocados, condecorada Oficial da Ordem de Mérito do Infante D. Henrique pelo Senhor Presidente da República, em Março de 2003. Um vasto currículo de dedicação e apoio aos refugiados e migrantes. Não deixe de ouvir esta entrevista!




Segue o comentário do Pe. Tony Neves:

«Tempos houve em que a ousadia de partir para longe das suas terras era um quase exclusivo dos homens. Vimos isto no tempo das caravelas quinhentistas; verificamos o mesmo aquando da grande ‘invasão’ da América do Sul nos inícios do séc. XX; não foi muito diferente, numa primeira fase, a emigração portuguesa para a Europa central. Mas, a partir dos meados do séc. XX, as migrações mudaram de rosto e muitas mulheres entraram nesta onda das deslocações humanas. Hoje, mais que nunca, vemos em Portugal uma quantidade enorme de mulheres imigrantes, vindas dos quatro cantos do mundo, desde a China e as Filipinas, ao Brasil e ao Leste da Europa, sem esquecer as que chegam de muitos países de África.

As migrações no feminino colocam outro tipo de problemas, exigem outro tipo de acompanhamento e apoio. Não há lugar para ingenuidades e, por isso, todos percebem que uma migração feminina mal enquadrada facilmente pode degenerar em explorações fáceis, seja pela atribuição de trabalhos mal remunerados, seja pela exploração de carácter sexual onde algumas redes mafiosas operam e reduzem à completa escravidão centenas de mulheres que, muitas delas, até saíram das suas terras ao engano, assediadas por propostas de bons trabalhos e excelentes salários.

Há que apoiar muito as mulheres migrantes de forma a que todos os seus direitos sejam respeitados e vejam questões como o reagrupamento familiar resolvidas. Muitas mulheres chegam ao país de acolhimentos sós, mas precisam de, mais dia menos dia, mandar vir os seus maridos e filhos, logo que tenham as condições reunidas para tal. E, em muitos casos, as leis não favorecem a união da família.

Para muitos países, a saída de mulheres para o mundo da emigração tem sido uma graça, pelos excelentes resultados económicos e até pela abertura de perspectivas que esta nova situação permite e potencia. Em alguns casos que conheço, de mulheres imigrantes de Leste em Portugal, são elas que criam condições para lá na Ucrânia ou na Moldávia, construírem uma boa casa e, sobretudo, permitir aos filhos o acesso à escola e a condições de vida mais dignas que abrem a porta a um futuro melhor.»




Ouça este programa e os mais antigos na Telefonia

(menu do lado direito)

segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

quinta-feira, 20 de dezembro de 2007

Este Natal ofereça um sorriso




Neste Natal de 2007, os Leigos Missionários da Consolata (LMC) portugueses lançam uma nova campanha chamada “Este Natal ofereça um sorriso”, em que cada benfeitor pode ajudar um aluno a sorrir e a estudar no ano lectivo de 2008 com apenas 45 euros anuais.


Esta ideia surgiu com Elizabeth e Ricardo Santos, Leigos Missionários da Consolata que trabalharam seis anos em Moçambique e em 2003 iniciaram um projecto de adopções de estudantes com algumas paróquias, o “Desafio para Moçambique”.


Desde essa data, este projecto tem apoiado dezenas de estudantes moçambicanos carenciados a continuar os seus estudos, com a ajuda de benfeitores espalhados por Portugal e com a ajuda dos leigos e dos missionários da Consolata que trabalham naquele país.


A missão dos LMC é apoiar estudantes órfãos ou filhos de famílias pobres, a terminar os seus estudos no 12º ano, através de uma adopção.


O objectivo do projecto “Desafio para Moçambique” é continuar a apoiar os cerca de 230 alunos e impedir que muitos deles deixem de estudar por falta de meios financeiros e de condições nas escolas dos missionários da Consolata.







NÃO DEIXE DE OFERECER UM SORRISO :)





Para mais informações, pode escrever para info@desafiomocambique.com e preencher o formulário no site www.desafiomocambique.com/.

Os media como elo de união entre povos lusófonos

O Luso Fonias de 9 de Dezembro dedicou a sua emissão ao papel dos meios de comunicação social como elo de união entre povos lusófonos. O nosso programa é um bom exemplo disso. É um programa que tem a colaboração de rádios dos países de expressão portuguesa, na rubrica Vozes da Lusofonia, e é transmitido em cerca de 20 rádios espalhadas pelos quatro cantos do mundo.

Ouça a entrevista ao Cónego António Rego que, no final de 2006, foi nomeado pelo Santo Padre, Bento XVI, Consultor do Conselho Pontifício das Comunicações Sociais do Vaticano. Uma entrevista com realização da Rádio Vaticano.



Segue o comentário do Pe. Tony Neves:

«O espaço lusófono é largo, populoso, rico em termos de diversidade cultural e património literário, histórico e arquitectónico. Como gerir esta riqueza de maneira a potenciar as boas relações que existem entre quantos falam português e têm uma longa história em comum?

Os media são um extraordinário elo de ligação entre toda a lusofonia, de Portugal a Macau e Timor-Leste, sem esquecer os milhões de lusófonos espalhados pelo mundo que não falam a nossa língua.

Os meios de comunicação social têm a missão de construir pontes, informando, formando e divertindo, amplificando notícias, ideias, cultura e debate.
A criação da VOX, associação mundial de rádios de inspiração cristã da lusofonia é, talvez, o gesto mais profético e mais simbólico desta vontade de criar elos de união entre todos. Também este programa, Luso Fonias, fala alto desta convicção de que falar português une e a conversar e debater grandes temas de actualidade podemos todos aprofundar laços e avançar. Seria importante que os países lusófonos com mais capacidade financeira dessem um apoio significativo aos media que produzem programas e apostam neste encontro de povos e culturas.

Se houver vontade política, não há longe nem distância e a lusofonia pode tornar-se um espaço de maior mútuo conhecimento e de mais fraternidade. E, mais uma vez, os meios de comunicação social desempenham um papel decisivo. Há que fazer o que está ao nosso alcance para que o espaço lusófono se torne numa pequena aldeia onde as pessoas se conheçam, se encontrem e se apoiem mutuamente.»




Ouça este programa e os mais antigos na Telefonia

(menu do lado direito)

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

Parabéns Rádio Nova

A Rádio Nova – emissora cristã de Cabo Verde – está de parabéns pelos seus 15 anos de vida.




Uma parceira do Luso Fonias que está neste projecto de encontro de vozes e culturas desde o início. Uma parceira que tudo faz para participar no programa e que, apesar de distante, tenta sempre estar em contacto e colaborar com a equipa de Portugal.




Parabéns ao Director, Pe. António Fidalgo, e a toda a equipa. Que a vossa entrega e dedicação se reflicta em muitos sucessos radiofónicos!









História da Rádio Nova




«Desde sempre os capuchinhos sonharam contribuir para o melhoramento da comunicação entre as ilhas. A primeira iniciativa de relevo que apareceu no início dos anos 60 foi a do Padre Pio Gotin com o boletim Repique do Sino, lido em Cabo Verde e na emigração, tanto pelo povo simples como por intelectuais.




Seguiu-se o Jornal Terra Nova, fundado em Abril de 1975, com incursões não somente na área religiosa como também na socio-política.




Entretanto, nos finais dos anos 70, os capuchinhos apresentam ao então Ministro da Justiça um pedido de criação de uma rádio, pedido esse que teve uma resposta negativa, tendo o ministro invocado o facto de as leis não permitirem a existência de rádios privadas, mesmo que fossem da Igreja.




Mas os capuchinhos não desistiram da ideia. Em 1977, tendo verificado que havia no ar sinais de mudança a nível de regime, começaram a trabalhar no projecto. Em 1990 o regime do partido único anuncia abertura política e em 1991 têm lugar as primeiras eleições livres e democráticas no país. Nenhum impedimento de ordem política ou jurídica impediam o projecto de avançar. Em 17 de Dezembro de 2002, a Rádio Nova mandou para o ar e para todas as ilhas os seus primeiros programas. 17 de Dezembro é, pois, uma data importante não só para os capuchinhos, como também para toda a Igreja e todo o nosso país, visto que pois foi nesse dia que surgiu a primeira rádio privada do período pós-independência.» Rádio Nova Online















Visite esta rádio em www.radionovaonline.com


sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Igrejas esperam compromissos em favor do desenvolvimento

Conferências episcopais da Europa e África pedem fim das «novas formas de escravatura»



As Conferências Episcopais da Europa e África enviaram aos participantes na cimeira de Lisboa um documento no qual pedem compromissos efectivos em favor do desenvolvimento e contra as "novas formas de escravatura do nosso tempo".

A mensagem dirige-se aos cinco presidentes europeus e 35 africanos e 15 primeiros-ministros europeus e 12 africanos que participam em Lisboa na II Cimeira União Europeia/África, ao longo deste fim-de-semana.

A Igreja manifesta-se contra a "contínua exploração dos recursos de África", com as consequências que tal acarreta para as populações africanas, e lamentam a "fuga de cérebros" rumo à Europa.

Os Bispos católicos destes continentes indicam como prioridade o combate ao trabalho infantil, ao tráfico de mulheres e crianças, à discriminação dos migrantes e o "escândalo" da exploração de mulheres e menores para abusos sexuais.

O texto foi assinado em Elmina, no Gana, localidade utilizada para o tráfico de descravos, pelo presidente do Simpósio das Conferências Episcopais de África e Madagáscar e pelo vice-presidente do Conselho das Conferências Episcopais da Europa.

Os episcopados pedem a inversão da "actual tendência de exploração", através da ratificação, implementação e reforço de convenções entre os governos de África e da Europa.

Aos responsáveis políticos, a Igreja recomenda "a prática de uma boa governação, a honestidade, a responsabilidade e a transparência, a promoção da democracia, a educação para todos, o respeito pela lei e a luta contra a corrupção".

Ontem, delegações de oitenta países e representantes das Comissões da União Africana (UA) e da União Europeia (UE) reuniram-seno Egipto, onde aprovaram um comunicado final e ouviram a Declaração de Lisboa, que será apresentada na Cimeira UE/África.

A Declaração de Lisboa, documento que será apresentado na Cimeira UE/África, em Lisboa, e que foi lida durante a reunião, define uma nova parceria, baseada na interdependência e igualdade de soberania e respeito que envolve a África como um todo.


Devoção a Nossa Senhora

O Luso Fonias de 2 de Dezembro teve uma emissão intitulada “Devoção a Nossa Senhora”, um programa que surgiu a propósito do Dia da Imaculada Conceição, a 8 de Dezembro, e que contou com uma entrevista realizada pela Rádio Aparecida (Brasil). Não deixe de ouvir a conversa com o Pe. Vicente André, assessor de comunicação do Santuário Nacional de Nossa Senhora de Aparecida, São Paulo.



Segue o comentário do Pe. Tony Neves:

«O mundo inteiro celebra, a 8 de Dezembro, a Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora. A devoção dos católicos à mãe de Jesus é muito forte, como se percebe bem pelo número de Igrejas e Santuários que lhe são particularmente dedicados.

Tive a oportunidade de visitar alguns dos santuários marianos onde são milhares e milhares os peregrinos e devotos que ali vão para rezar. Recordo as multidões que encontrei no México, aquando da festa de Nossa Senhora de Guadalupe, no Santuário a ela dedicado, em memória da aparição da Virgem ao jovem indígena Juan Diego. Estive já em Lourdes, na França, onde Nossa Senhora apareceu, sobretudo, para valorizar a dimensão da cura por parte de Deus; fui ao Santuário Nacional brasileiro da Senhora da Aparecida, marcado pela gratuidade da relação com Deus pois, como dizia o Reitor, ali ninguém vai pedir nada, só agradecer. Em Angola, com a paz implementada, muitos dos caminhos da fé deste povo católico vão dar ao santuário de Nossa Senhora da Muxima, nas margens do grande e belo Rio Kuanza. E, claro está, não posso esquecer o ‘altar do mundo’ que é Fátima, onde uma Senhora mais brilhante que o sol, apareceu a três crianças no longínquo ano de 1917. Eram tempos cruéis de guerra para a Europa e a mensagem da Senhora era de paz, com a condição de haver conversão e oração. A este nível, 90 anos depois, a Mensagem de Fátima mantém uma actualidade extraordinária. Não é por acaso que continuam a chegar ao santuário milhões de pessoas por ano, transformando Fátima na capital da Fé e da Esperança.

A devoção católica a Nossa Senhora tem algumas expressões populares que os tempos consagraram: recordo particularmente a recitação do Rosário.

Maria vai continuar a ser a grande referência de radicalidade cristã para todos. Como Mãe, trará à humanidade que crê a ternura, a dedicação e a alegria que a maternidade traz consigo. Daí não estranhar tanta devoção por parte dos seus filhos.»






Ouça este programa e os mais antigos na Telefonia

(menu do lado direito)

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

Já encomendou? É só até dia 10 de Dezembro!!!

Se não encomendou, do que está à espera?!?! Está à espera de neste Natal oferecer os presentes do costume? Uma caixa de bombons que só provoca acne e contribui para mais uns números na balança. Um perfume que muitas vezes o presenteado detesta o aroma, mas que faz aquele sorriso simpático para nos agradar. Uma caneta cara e bonita, mas que na verdade nunca usamos e optamos sempre pelas tradicionais BIC. Vá lá… marque este Natal pela diferença, ofereça um Presente Solidário!






Cabo Verde – 3 Livros Escolares – 6 €


Uma das regras do desenvolvimento diz que devemos dar a cana e ensinar a pescar em vez de dar o peixe. Em Cabo Verde, a educação é, nesta altura, uma das principais apostas rumo ao desenvolvimento.


Estes livros vão integrar-se em Bibliotecas e ajudar alunos de escolas de Cabo Verde a aprender mais e melhor para poderem no futuro trabalhar pelo progresso do seu país.












Guiné-Bissau – 24 Tijolos – 18 €


A aposta nas infra-estruturas educativas continua a ser uma prioridade na Guiné-Bissau. Este ano são precisos tijolos para a ampliação dos Centros de Desenvolvimento Educativo em Calequisse.


Este Centro tem uma biblioteca aberta aos estudantes e um centro de recursos para os profissionais da educação, onde se realizam diversas actividades de âmbito educativo e sócio-cultural.





São Tomé e Príncipe – Bata Escolar
– 8 €


Em São Tomé a Diocese tem a funcionar centros de acolhimento de meninas, abandonadas pelos pais, porque morreram ou simplesmente não têm condições económicas para as sustentar.


As batas que serão oferecidas permitem-lhes vestir-se dignamente e usar algo que as torna iguais às outras crianças com quem convivem na escola e no dia-a-dia.






Angola – Caixa de Costura – 22 €


Em Angola muitas mulheres não têm as oportunidades que merecem para ter uma vida diferente.


As caixas de costura que serão entregues vão permitir que elas iniciem os seus próprios negócios e assim consigam combater a discriminação de género que sofrem na sociedade.






Brasil – Depósito de Água – 24 €


A água é um bem cada vez mais escasso. Na floresta da Amazónia a situação é preocupante: sem possibilidades de armazenamento de água, as populações vêem-se obrigadas a retirar a água do rio, que não é potável, e ficam sujeitas a muitas doenças.


Estes depósitos vão permitir às famílias captar a água das chuvas e armazenar a pouca água canalizada que chega, diminuindo o risco de doenças.






Moçambique – Jogo de Panelas – 9 €


Muitas vezes pensamos que ter comida é suficiente para sobreviver. No entanto, muitas famílias em Moçambique não têm possibilidades económicas de ter o necessário para cozinhar.


Estas panelas vão permitir que famílias inteiras se alimentem com mais qualidade, e com isso ter uma vida mais saudável.






Timor-Leste – Kit de Higiene
– 16 €



Uma das mais novas nações do mundo é também uma das mais carenciadas. Uma das necessidades que tem sido apontada como importante, diz respeito a acções de sensibilização na área da Educação para a Saúde.


Através deste kit de higiene vão ser entregues bens necessários à prevenção e combate de doenças, proporcionando melhores condições de vida aos timorenses












Encomende aqui!






Para saber mais,

visite o site da campanha
Presentes Solidários 2007.

Dia Internacional do Voluntariado


5 de Dezembro de 2007

Programa





LISBOA



Local: Espaço Ágora



Horário: 18h às 22h



Formato:



18h às 20h – Espaço de convívio. Jogos dinâmicos para fomentar a partilha e conhecimento mútuo entre voluntários de diversas organizações.



20h às 21h – Comida / Bar



21h às 22h – Espaço de convívio. Espaço Cultural aberto: espaço a ser construído pelos próprios voluntários.






Simultaneamente:



- Exposição de fotografia


- Informação sobre ONGD membro do grupo




Valor da entrada: 3€


Contacto: info@plataformaongd.pt






COIMBRA


Promovido por: Saúde em Português


19h – Jantar convívio


21h às 24h - Café Santa Cruz


Lançamento do livro Ser Solidário


Colóquio - café de testemunhos e grupo de música cabo-verdiana


24h – Discoteca Via Latina


Exposição de fotografia


Noite de convívio de voluntários





Contacto: saudeportugues@gmail.com
Para participar nesta(s) iniciativa(s), é preciso fazer inscrição através da organização com quem fez voluntariado, ou directamente junto da organização promotora (sendo neste caso necessário entregar um comprovativo de acção voluntária realizada no âmbito de uma das associadas da Plataforma).




Para saber mais: info@plataformaongd.pt






PORTO


O GAS' África organiza uma Exposição de Fotografias no próximo dia 5 de Dezembro - Dia Internacional do Voluntário - na Universidade Católica Portuguesa, Campus FOZ, pelas 18:30h, junto ao Auditório Ilídio Pinho.







PARTICIPE!